Revista de Gestão Revista de Gestão
Revista de Gestão 2016;23:326-37 - Vol. 23 Núm.4 DOI: 10.1016/j.rege.2016.07.002
Gestão e Sustentabilidade
Ranking setorial do grau de evidenciação ambiental das empresas brasileiras listadas no IBrX‐100
Tops environmental disclosure degree of industry of Brazilian companies listed in IBRX‐100
Larissa Degenharta,, , Mara Vogta, Nelson Heina, Fabrícia Silva da Rosab
a Fundação Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, Brasil
b Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
Recebido 19 Abril 2016, Aceitaram 26 Julho 2016
Resumo

Este estudo objetivou analisar o ranking setorial do grau de evidenciação ambiental das empresas brasileiras listadas no IBrX‐100. Para tanto, fez‐se uma pesquisa descritiva, documental e quantitativa, a partir de uma amostra de 97 empresas brasileiras de 2010 a 2013. A partir dos Relatórios de Sustentabilidade (RS) e Relatórios Anuais (RA) divulgados no site das próprias empresas, foram analisados cinco aspectos ambientais: emissões, efluentes líquidos, resíduos, produtos/serviço e transportes, seus devidos critérios e subcritérios. A partir dos dados coletados, usou‐se o método T‐ODA para chegar ao grau de evidenciação ambiental de cada empresa e ano. Os resultados revelam que as empresas do setor Utilidade Pública são as que mais evidenciam informações ambientais sobre os aspectos analisados. Após, tem‐se as empresas do setor Financeiro e Outros. Contudo, as empresas pertencentes aos setores Diversos e Petróleo, Gás e Biocombustíveis quase não evidenciam informações ambientais. Ressalta‐se que a empresa que mais evidenciou é a Duratex, do setor Materiais Básicos, seguida pela empresa Ecorodovias, do setor Construção e Transporte. Vale ainda salientar que 30 empresas das 97 não evidenciaram qualquer informação em seus relatórios sobre os aspectos analisados, ou então não divulgam tais relatórios. A contribuição do estudo verifica‐se a partir da evidenciação ambiental das empresas, pois ao divulgar informações ambientais para a sociedade, visam à legitimação, visto que as empresas tornam‐se legitimadas a partir do momento em que demonstram suas iniciativas para a diminuição dos impactos ambientais causados por suas atividades. Além disso, a pesquisa contribui no sentido teórico (Teoria da Legitimidade) e gerencial (vantagem competitiva), pois a partir do momento em que as empresas divulgam informações ambientais, poderão obter benefícios financeiros, assim como a sociedade, diante da qualidade de vida e do meio ambiente por meio da preservação ambiental.

Abstract

This study aimed to analyze the sectoral ranking of the degree of environmental disclosure of Brazilian listed companies in the IBrX‐100. To this end, we carried out a descriptive, documentary and quantitative research, from a sample of 97 Brazilian companies in the period from 2010 to 2013. From Sustainability Reporting (RS) and Annual Reports (RA) reported by companies on the site the companies themselves, five environmental aspects were analyzed, namely: emissions, effluents, waste, product/service and transport, their proper criteria and sub‐criteria. From the collected data, we used the T‐ODA method to reach the degree of environmental disclosure of each company and year. The results show that companies in the public utility sector are the most evident environmental information on the aspects analyzed. Then, there are the companies in the sector Financial and Other. However, companies belonging to sectors and Miscellaneous Oil and Gas hardly show environmental information. It is noteworthy that the company showed more Duratex is the Basic Materials sector, followed by Ecorodovias company's Construction and Transportation sector. It should also be noted that 30 companies of the 97 did not show any information in its report on the aspects analyzed, or else do not disclose such reports.

Palavras‐chave
Ranking, Setores, Evidenciação ambiental, Empresas brasileiras, Relatório anual e de sustentabilidade.
Keywords
Ranking, Sectors, Environmental disclosure, Brazilian companies, Annual and sustainability report
Revista de Gestão 2016;23:326-37 - Vol. 23 Núm.4 DOI: 10.1016/j.rege.2016.07.002